Metroidvania

Metroidvania (junção dos nomes Metroid e Castlevania) é um sub-gênero de jogos eletrônicos de ação-aventura, baseado na jogabilidade e design das séries de jogos Metroid e Castlevania,[1][2] tipicamente com sidescrolling de plataforma e um grande mundo interconectado.

Jogos de ação que geralmente apresentam um grande mapa interconectado que o jogador irá explorar, embora o acesso a partes sejam limitados por obstáculos, que somente podem ser ultrapassados quando o jogador adquirir, ferramentas, armas, ou habilidades dentro do jogo. Essas melhorias também podem ajudar o jogador a derrotar inimigos mais difíceis e localizar atalhos e áreas secretas, que inclui refazer os passos do mapa. Com isso, os jogos "Metroidvania" incluem uma integração de história e design de níveis, cuidando dos designs de níveis e o controle dos personagens para incentivar a exploração e experimentação, e um meio para o jogador possa ficar mais ligado ao personagem do jogador.

Os jogos "Metroidvania" são tipicamente jogos sidescrolling de plataforma, podendo incluir outros gêneros. Embora popularizado durante as primeiras gerações dos consoles, o gênero tem ressurgido desde os anos 2000, devido principalmente aos jogos indies.[3]

ExemplosEditar

Alguns exemplos de jogos do subgênero são:[4][2][5][6][7]

Referências

  1. «Metroidvania > Concept». GiantBomb. Consultado em 8 de abril de 2015 
  2. a b «5 melhores jogos metroidvania já lançados». Meio Bit. 26 de julho de 2019. Consultado em 5 de outubro de 2020 
  3. Priori, Flávio A. «Metroidvania: a história de um gênero». GameBlast. Consultado em 2 de abril de 2021 
  4. «7 games metroidvania dignos da sua atenção». IGN Brasil. 2 de setembro de 2018. Consultado em 2 de abril de 2021 
  5. «5 melhores jogos metroidvania já lançados». Meio Bit. 26 de julho de 2019. Consultado em 2 de abril de 2021 
  6. «10 grandes games no estilo Metroidvania!». Legião dos Heróis. 11 de agosto de 2019. Consultado em 2 de abril de 2021 
  7. «Curtiu Bloodstained? Veja mais 10 Metroidvanias fundamentais». www.uol.com.br. Consultado em 2 de abril de 2021